Práticas de Gestão de Pessoas para as organizações

Práticas de Gestão de Pessoas para as organizações

Sempre é muito desafiador abordar o tema sobre gestão de pessoas, já que no cotidiano das empresas nos deparamos com casos e mais casos de conflitos internos, comunicação inadequada, baixa satisfação e queda de produtividade, sem citar inúmeros outros problemas internos vivenciados por organizações de todos os tamanhos e atividades econômicas.

Percebendo a importância de fazer cumprir a missão da área de gestão de pessoas, qual seja, contribuir para que a organização alcance seus objetivos, equilibrando resultados e felicidade no trabalho, se torna oportuno reforçar as boas práticas de gestão para que seja possível minimizar estresses desnecessários entre equipes e setores e potencializar os esforços convergentes para o alcance das metas estabelecidas.

Ora, se todos, empresa e empregados estão dispostos a compartilhar do mesmo propósito, independentemente, dos objetivos de cada um, se faz necessário reconhecer a necessidade de mudança de comportamentos, iniciando pela mudança de mentalidade, pois se não há percepção ou reconhecimento da necessidade, dificilmente haverá mudanças na prática.

Então, partindo do pressuposto que há alinhamento de propósitos e reconhecimento da necessidade de mudança, resta agora estabelecer princípios norteadores que conduzirão o engajamento corporativo e definir as práticas de gestão de pessoas a serem implementadas.

Estabelecer princípios sempre é uma estratégia a ser considerada, para não haver dúvidas ou críticas não construtivas no decorrer da mudança, já que serão norteadores da condução do processo. Ultimamente, princípios como transparência, participação e impessoalidade são facilitadores para a manutenção da ordem e da confiança.

Como boas práticas de gestão de pessoas, na filosofia do ganha-ganha, recomenda-se a implementação de ferramentas e de políticas que estimulem, conduzam e reconheçam o mérito profissional, permitindo a percepção por ambas as partes envolvidas, do alcance de seus objetivos pré-estabelecidos, facilitando a retroalimentação e o contínuo desenvolvimento de ambos, empresa e empregado.

Conheça algumas de práticas que são envolventes, requerem investimento, mas que promovem o equilíbrio entre resultados organizacionais e felicidade no trabalho:

  • Contrate pessoas com perfil técnico e comportamental adequado;
  • Viabilize um mapeamento social dos empregados;
  • Adote políticas claras de cargos, carreiras e salários;
  • Utilize ferramentas eficazes de mensuração de desempenho e resultados;
  •  Implemente o modelo de remuneração estratégica.

Tornar possível o alcance dos resultados organizacionais e da lucratividade, desejos tão justos e desejados pelas organizações e permitir que igualmente seja proporcionado aos empregados a obtenção do reconhecimento do mérito pelo seu desempenho de forma justa e transparente, é a missão desafiadora da área de gestão de pessoas.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


×